segunda-feira, 27 de junho de 2011

O LEGADO DE PAULO À CRISTANDADE

Nos dias em que vivemos não muito diferentes dos dias de Paulo de Tarso, em que a cultura greco-romana dominava por toda a parte do Império Romano, mas principalmente nas grandes capitais e centros urbanos do mundo antigo. Havia um modus vivendi voltado para o comércio em larga escala, para tecnologia que proporcionava todos os confortos possíveis para aqueles tempos idos de então, para a política de dominação, etc., enfim uma época em que a maioria esmagadora se voltava para o ter, exceto alguns filósofos estóicos, epicureus e alguns religiosos. Sim, esse era o pensamento, possuir bens materiais, conquistar poder, alcançar todo o luxo como vivemos hoje. Não que essas coisas em si sejam pecaminosas, mas com elas as pessoas se voltam totalmente para si mesmas.

É no contexto desse mar social e político conturbado, pecaminoso, difícil, de incredulidade e perversão moral que surge Paulo trazendo uma escandalosa mensagem. Essa mensagem trata de um Cristo judeu morto e é absurdamente representada numa cruz, que havia ressuscitado dias depois. Isso era algo muito louco para os refinados de cultura helênica, e algo estupidamente escandaloso para os judeus de tradição religiosa já milenar. Na verdade haviam oradores de maior eloquência que a dele, como por exemplo Apolo, um cristão natural de Alexandria no Egito. E mesmo, Pedro, o grande apóstolo que conviveu física e diretamente com Jesus de Nazaré, seu mestre, homem eloqüente e de milagres. Entretanto, nenhum homem conseguia superar Paulo em sua visão pioneira e missionária. Apesar dele respeitar a todos eles considerando-os obreiros da Seara do Senhor, assim como ele mesmo.

O legado de Paulo constituiu-se no trabalho firme, constante e superabundante, como desafiou os cristãos de Corinto a trabalharem também da mesma forma. Paulo era um seareiro esforçado no calor do sofrimento, como atleta se afadigava quase a exaustão a fim de que o evangelho fosse anunciado, interiormente se agonizava como uma parturiente até que Cristo fosse formado em seus “filhinhos” na fé, Gl 4.19. E como pai espiritual orava intensamente e ansiava que deveras seus filhos se parecessem com Jesus Cristo a quem procurava imitar, 1Co 4.16; 11.1. Paulo lutava por desenvolver uma fé viva, sem misturas quer fosse no comportamento ou no campo das idéias. Sua filosofia era estritamente baseada em Cristo Jesus. Sincretismo, não era necessário, pois as boas novas são completas em si mesmas de maneiras que quem bebesse dessa água espiritual ficaria satisfeito, pois se faria nele uma fonte para a vida eterna.

Ao contrário do que alguns poderiam pensar ele não aceitou docilmente a fé em Jesus de Nazaré. O Saulo da cidade de Tarso fora um perseguidor dos seguidores daquela nova seita chamada de “o caminho” inicialmente. Participou da morte de Estêvão e foi reconhecido por Lucas, o escritor de Atos, como aquele que assolava as igrejas. Mas quando ainda era um perseguidor notável Jesus Cristo apareceu para ele como uma luz mais forte que o sol e com isso ele sofreu uma mudança radical, passando a seguí-lo. Mas consta no legado de sua conversão que agora o ex-assolador era objeto de cuidado recebendo a cura da cegueira física pela imposição das mãos de um certo cristão chamado Ananias, batizando-o imediatamente em seguida. Não demorou muito e Paulus, seu nome latino, teve grande progresso espiritual, convivendo com outros fiéis, examinando as Escrituras, pregando e defendendo o evangelho em Damasco para onde fora perseguir os cristãos. Passado muitos dias ali a repercussão de seu trabalho incomodou a liderança religiosa local a tal ponto que planejaram matá-lo, sabendo disso escapou num cesto.

Foi Paulo para Jerusalém mas era a princípio rejeitado, por causa das marcas profundas que havia deixado em muitas famílias perseguidas, afinal pairava uma dúvida: se de fato ele se convertera ou sua aproximação não passava de um embuste? Barnabé, um magnânimo, apelidado de filho da consolação foi a pessoa que se encarregou de apresentar Saulo Paulo de Tarso ao grupo apostólico eliminando assim qualquer suspeita quanto a sua pessoa. Pôs-se a trabalhar em Jerusalém e na Judéia, mas teve que sair de lá para não morrer na mão dos opositores. Voltou então para a excelente Tarso da Cilícia onde nascera e ali se entregou ao ofício de construtor de tendas.

Estando Paulo em Tarso não demorou muito para que Barnabé, o homem que assumira a primeira igreja fora dos termos de Israel, quer dizer, em Antioquia da Síria fosse procurá-lo para ser o seu assistente de talento. Barnabé sabia que ele era um vaso mui valoroso e próprio para aquele momento. Passado algum tempo em que estavam em Antioquia Barnabé e Paulo foram vocacionado pelo Espírito Santo, assim ele tornou-se o missionário ao lado de Barnabé, tendo como auxiliar de ambos a João Marcos. Paulo como missionário era um comunicador ousado do evangelho e por causa disso sofreu espancamento, apedrejamento, etc., já na primeira viagem missionária. Mas a custa de muito sofrimento junto a Barnabé fundou várias igrejas por onde passou.

Depois disso, passado algum tempo, surgiu a questão do rito mosaico da circuncisão, cuja pretensão era de se impor as leis cerimoniais e ritos nos fiéis gentios, mas Paulo ao lado de Barnabé se posicionou firmemente como advogado dos gentios. Mas tarde prosseguindo no trabalho missionário considerou-se “doutor dos gentios”.

Visando ampliar o trabalho, estava sempre de olhos abertos para identificar obreiros para a seara do Mestre, assim tornou-se um desenvolvedor de talentos tais como Silas, Timóteo e até João Marcos veio a se tornar um obreiro de valor para ele com o passar do tempo. O pregador e apóstolo dos gentios tinha uma personalidade forte sem deixar de ser apaixonado pela igreja, mesmo quando alguns falavam bobagens, desafiavam a sua autoridade ele continuava amando, como disse certa vez: “eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado”, 2Co 12.15. Ele conseguia proceder assim pelo fato de ser um homem de oração e jejuns, sendo portanto uma pessoa de profundas revelações do Senhor Jesus Cristo e no trato para com a sua igreja.

Depois que Paulo teve no Areópago quando tentou ganhar alguns pensadores para Cristo utilizando-se de sua profunda sabedoria, dali em diante algo aconteceu que ele se tornou um homem de milagres abundantes de todos os tipos. Já no fim de sua vida ainda trabalhava quando foi preso repentinamente não podendo levar consigo seus pertences, por isso sentia frio e pediu para que Timóteo lhe levasse a capa por causa do frio próprio da estação e os pergaminhos com os quais aqueceriam a sua mente e fortaleceria o seu coração.

Eis aí o legado de um mártir que primou sua vida em ser, constituindo-se assim uma mensagem viva de Cristo Jesus, como gostava de chamá-lo, para sua geração e toda a posteridade subsequênte. Em seu tempo não havia campanhas de fé misturadas com as crenças locais, nem havia megas arrecadações para gerar uma apoteose de si mesmo ou de seu ministério. Ter o evangelho como fonte de lucro, seria para ele uma coisa abominável, que procurava lembrar a seus seguidores as palavras de Jesus, “mais bem aventurada coisa é dar do que receber”. Na verdade ele deu toda sua vida em prol do evangelho, sofrendo no último minuto de sua vida um único golpe certeiro do machado de seu executor em seu pescoço que dessa forma interropeu a sua vida, mas com a esperança eterna de um guerreiro da cruz: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”, 2Tm 4.7. Essas foram suas palavras dias antes de morrer.

A Deus toda honra e glória para sempre. Amém.

domingo, 26 de junho de 2011


Veja o email que recebi de um colega:
Olá Pr. Ronaldo, veja o vídeo que demonstra o analfabetismo e consequentemente a má interpretação bíblica em Oséias 3.1 que resulta dele: http://www.youtube.com/watch?v=Rzri_iE2jl8&feature=player_embedded
Evidentemente, resolvi dar uma olhada e veja a minha conclusão no email respondido que o reproduzo a seguir:

Olá meu amigo

Vi o vídeo e ri bastante para não chorar é claro, mas veja o que é a Bíblia na mão de quem não domina as regras de ortografia. É um perigo. Simplesmente, um indivíduo desse jamais poderia ser pastor. Entretanto, não é a primeira vez que ouço isso e sim a segunda. Certa vez presenciei um colega de ministério fazer o mesmo trocadilho, de adúltera por adultera numa classe de estudo, coincidentemente no mesmo texto. E o mesmo passou a defender em seguida que, Deus orientou o profeta Oseias adulterar. Todos ficaram estarrecidos olhando a afirmativa dele, todavia o palestrante lhe disse: "Irmão aí tem um acento, e você se esqueceu de observar isso". Quando ele se deu conta da tolice que havia falado em meio a outros obreiros, nunca mais retornou àquele núcleo de estudo de tanta vergonha pela garfe cometida. Faz-se necessário ter cuidado maior na seleção de obreiros e observar esse detalhe, para que este não fique envergonhado e nem envergonhe o evangelho de Cristo. Afinal, com o rótulo de líder, ou pastor evangélico as pessoas menos esclarecidas acabam colocando todos no mesmo saco, e bem sabemos que não é assim em qualquer segmento.

quarta-feira, 15 de junho de 2011


Um amigo meu em enviou o seguinte email:

Paulo nos fala de uma luta interna vivida pelo indivíduo contra o pecado. O líder ao ministrar sobre seu rebalho, mesmo sem um contato direto, apenas pela palavra ministrada nos cultos, participa desta luta de cada individuo e até é atingido por ela?
"Santo" Agostinho no ano de 380 d.C. nós falava desta luta no inicio de sua caminhada:

“Quando pensava em me consagrar por inteiro ao Teu serviço, Deus meu, era eu quem queria fazê-lo, e eu quem não queria fazê-lo, era eu mesmo, e porque não te queria de todo, nem de todo não te queria, lutava comigo mesmo e me rasgava em pedaços”.

Em resposta, segue:

O líder na luta contra o pecado, antes de assumir qualquer responsabilidade de liderança passa primeiro pelo seu campo pessoal de provas. Para depois, quer seja no seu aspecto interior ou exterior, ser como um médico ou bombeiro, ou seja, o que mais se expõe a perigos próprios do ofício na tentativa de salvar os outros. Alguns perigos comuns são durante o aconselhamento: não vigiar os seus pensamentos, no púlpito a vaidade pessoal ou manipulação dos outros, em casa a perda de paciência por causa da enorme carga psicológica que ele (o pastor) adquire com o tempo. Com o passar do tempo, o outro perigo é o da insensibilidade, falta de compaixão com os problemas alheios e a própria negligência quanto a devoção pessoal e leitura variada. Tudo o que falo são aspectos práticos que o pastor carrega consigo e que não se é falado, na verdade Deus precisa de um pastor humano, muito humano, para que possa entender as lutas interiores de suas ovelhas e as que virão a ser. Na verdade, a ele são reservadas provas especiais, como alguém treinado numa "tropa de elite" para que possa suportar tais pressões: interiores, infernais e sociais. Cuja finalidade é, que sendo homem possa ter compaixão de outro homem.

Na verdade as crises de desânimo são amigas constantes que um líder passa calado, não procurando demonstrar suas fraquezas, como uma mãe em grande necessidade que evita demonstrar fraqueza para os seus filhos, a fim de que eles não se desesperem. Mas há casos também por orgulho, ou ter tido um discipulado fraco, e aí o perigo para ele e o rebanho se torna pior.

Particularmente não acho que um pastor ou líder deve ter resposta para tudo o que buscam, essa é uma grande tentação interior, mas que ele deve ouvir os lamentos e ser apenas solidário com as ovelhas de seu rebanho, isso já é suficiente. Outro grande perigo são as dependências emocionais que algumas pessoas formam em torno do líder e ele passar a gostar disso. Se ele não tiver cuidado, isso o devorará drenando todas as suas energias psicológicas, e aí então ele precisará ser decidido, resignado e dar um basta na situação.

É meu amigo, já tenho 18 anos de ministério pastoral e 29 anos de fé, enfim já passei muita coisa. Mas quanto a luta que Agostinho de Hipona fala é real e chega o momento que o líder "está além da linha do desânimo, e tem que prosseguir assim mesmo". Sei que sobre o assunto eu escreveria um livro! Porém, vou ficar por aqui.

Até a próxima.

(15.06.2011)


terça-feira, 14 de junho de 2011

O REINO DE DEUS EM VOCÊ - LIVRO GRATUITO



Entramos no Reino de Deus pela fé no maravilhoso sacrifício de Cristo. Sacrifício este efetuado para o perdão dos nossos pecados. Antes, não podíamos enxergar ou entrar no Reino de Deus, pois na verdade nós pertencíamos ao outro reino. Porquanto o poder do pecado e das “nossas” trevas espirituais não nos permitiam. Contudo, Deus continuou a nos amar e nos guardar pacientemente. Até o dia em que fomos tirados das densas trevas para o seu reino, chamado de: reino de Deus, Rm 14.17; reino sacerdotal, 1Pe 2.9; reino do Filho do seu amor, Cl 1.13, pois sobre nós resplandeceu a sua luz, como está escrito:

2Coríntios 4:6 “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo”.

Embora a “terra” de nossos corações fosse endurecida, Deus trabalhou pacientemente e a semente do reino (sua Palavra) foi semeada nela. Quão trabalhoso deve ter sido para a Igreja e para o nosso Deus! Porém, pouco a pouco a situação foi se revertendo, lembra? Quantas pessoas lhe falaram de Jesus, lhe visitaram, insistiram e oraram por você. E a semente brotou. Assim você tornou-se: nova criatura, nascido de novo, filho de Deus, Igreja, eleito em Cristo, etc... Pois foste declarado justo pela fé (Rm 5.1), e pouco a pouco Jesus Cristo ia sendo formado em você, Gl 4.19.
Como filho de Deus, você galgou uma posição de honra, agora está assentado nas regiões celestiais em Cristo Jesus, Ef 1.3; 2.6. Logo este é também lugar de batalha espiritual. Uma batalha invisível travada contra o reino das trevas, que se voltou inteiramente contra nós que deixamos de ser seus aliados. Satanás e seu reino se opõem a nós estrategicamente de várias maneiras: para que não sirvamos a Deus; ou para que não demos frutos, ou arma ciladas em nossas mentes para nos neutralizarmos, ou ainda, se possível, eliminarmos do caminho dele.
Ainda ontem estava conversando com uma irmã de nossa igreja que me disse, acerca de como ficava preocupada quanto ao horário do culto, sendo que era sem motivo. Pois dificilmente estendemos o horário do mesmo. E como isso lhe ocorria, aquilo lhe atrapalhava em sua adoração, em ouvir os cânticos, e a pregação da Palavra de Deus. Isso continuou até que, segundo ela, Deus tocou em seu coração por meio desta série de estudos sobre a mente (Basiléia Theos em Você). Ela descobriu que não era uma preocupação verdadeira, nem tampouco sua. E passou a rejeitar aquele pensamento e preocupação em nome de Jesus. Porém, agora ela participa feliz aos cultos cantando e adorando a Deus.
D’outra feita também há poucos dias, quando ministrei sobre o mesmo assunto. E falava especificamente sobre Influência da Palavra de Deus em Nossas Mentes, como um meio de Deus moldar nossas vidas. Certa irmã me procurou depois da palestra e me perguntou: como fazer para que levasse seus filhos lerem a Bíblia. Depois de lhe fazer algumas perguntas, orientei que ela mesma lesse com eles, escolhendo um horário em que todos estivessem juntos, e que lessem de um a dois capítulos sistematicamente a começar do Novo Testamento. E que cada um de seus filhos que soubessem ler, participassem lendo cada um, um versículo assim sucessivamente até terminá-lo(s). Ela me agradeceu, pois ainda não havia pensado nisso.
Estes são fatos simples, mas que, por meio deles vemos Deus despertar, alertar, ajudar pessoas a buscarem discernimento, e de como resolver uma situação delicada.
Apresento este simples trabalho no afã de ajudá-lo a resistir firme na fé. O mesmo foi elaborado didaticamente, portanto pode ser utilizado também em estudos em grupos.
Estou ciente que existem bons trabalhos a respeito, porém não é nossa pretensão concorrer com os mesmos, porém somar para a edificação do povo de Deus.
----------------------------------------------------

Esta é a apresentação do livro (O REINO DE DEUS EM VOCÊ), para baixar o conteúdo integralmente é só acessar o link abaixo. Faça agora mesmo, é gratuito! Boa leitura.

http://www.4shared.com/file/2TRMBYmJ/Livro_O_Reino_de_Deus_em_Voc.html?

Segue algumas mensagens do Pr. Ronaldo para baixar.

Acesse a partir desses links e ouça algumas das mensagens:

Você pode ouvir direto do site abaixo indicado e ou baixá-las gratuitamente.

A Reverência na Igreja
Concordando com Deus
E a Glória do Senhor ...
Firmeza Espiritual
Os mistérios de Deus
Os passos de um homem bom
Quando tudo parece perdido
Um sonho de liberdade